História do Ju-jitsu

As origens do Ju-Jitsu e a sua divulgação

O Ju-Jitsu, na sua forma completa foi uma arte de combate utilizada pelos guerreiros samurais. A arte data da antiguidade, sendo conhecida por vários nomes, tai-jutsu, yawara, hakuda, entre outros. O Ju-Jitsu inclui técnicas com e sem armas. É visto como a raiz do aikido e do judo. Dentro desta arte está contemplada uma variedade de capacidades, desde os ataques a pontos vitais (Kyusho Waza), batimentos (Atemi Waza), projecções (Nage Waza), luta no solo (Ne Waza), até às técnicas de bloqueio (Ossae Waza), e nas articulações (Kansetsu Waza).
Tem sido dito que o Ju-Jitsu foi praticado pela primeira vez há dois mil anos atrás, e muitos acreditam que seja a origem de todas as artes marciais japonesas. O Ju-Jitsu não é um concurso de força muscular – de facto, este nem é um factor importante. A arte assenta no equilíbrio, no uso da biomecânica natural do corpo humano e assim, a força disponível é aplicada com todas as vantagens. Ju-Jitsu tende a eliminar as diferenças de tamanho, peso, altura e alcance.
Tradicionalmente o samurai só lutava corpo a corpo se tudo o resto falhasse. O guerreiro tradicional lutava usando uma armadura, de modo que a aplicação das técnicas de mãos vazias parecia um pouco robotizada. Quando um cavaleiro lutava no chão e sem armas, ele desequilibrava o seu adversário e imobilizava-o com uma forte prisão. Isto daria-lhe tempo suficiente para que ele tirasse o punhal e o enfiasse por uma fenda da armadura para atingir um ponto vital. No Japão entre o século XVII e IX, o samurai começou a enquadrar-se num ambiente mais pacífico, desprovido das antigas lutas civis sangrentas. Os samurais eram várias vezes atacados por bandidos e samurais fora da lei (ronin). A necessidade de técnicas de mãos vazias cresceu e quando os samurais foram proibidos de utilizar espadas em 1876, tornou-se imperativa.
Com a grande vaga de imigração para a Europa e as Américas, no começo do século XX, o Ju-Jitsu ganhou o mundo. Antes disso, era crime ensinar Ju-Jitsu (um segredo militar) a não japoneses. Novas ramificações como o Judo e o Aikido ajudaram a propagar o conhecimento do Ju-Jitsu pelo mundo.

Fonética

O nome da modalidade ganhou varias versões fonéticas ao transitar pelo ocidente tal como Ju jutsu, Ju jitsu, ou Jiu jitsu, no entanto são só derivações fonéticas da mesma modalidade.

Kanji

Fonética Ocidental

Fonética

Japonesa

Significado

Ju, Jiu

“Djiu”

Suave, Gentil, Adaptável

Jutsu, Jitsu

“Djiutsu”

Arte, Técnica

 

O Ju-Jitsu em Portugal

O primeiro professor de Ju-jitsu japonês que esteve em Portugal chamava-se Hirano, tendo morrido afogado na praia de St. Cruz.

Em 1936 a PSP do Porto por iniciativa do seu comandante Coronel Namorado de Aguiar e do Tenente Alberto Cruz inclui a prática do Ju-Jitsu nos programas dos cursos dos seus agentes, sendo a instrução dada por Armando Gonçalves.

Em 1941 é publicada pela Livraria Simões Lopes a 1ª Edição do livro “O Fraco Vence o Forte” de Armando Gonçalves. Em Lisboa, António Correia Pereira correspondia-se regularmente com Risei Kano e Moshizuni, director do Yoseikan.

Devido às suas diligências grandes mestres do Judo e Aikido visitaram Portugal. António Correia Pereira é o primeiro português cinto negro, 1º Dan, inscrito no Kodokan, membro da Kodokan-Ju-Jutsu Association. Torna-se também o primeiro Membro Honorário da União Dinamarquesa de Judo. Em 1946 funda a Academia de Budo. Editou a primeira revista de judo em Portugal da qual saíram somente nove números.

Para a orientação da prática na Academia de Budo, o Mestre Corrêa Pereira procurou encontrar uma figura que representasse a mais pura tradição do Judo marcial. Assim, após longas negociações junto do governo japonês, foi recomendado à Academia o Mestre Masami Shirooka, inspector de Educação Física do Ministério da Educação Nacional do Japão que permaneceu em Portugal durante um ano como professor efectivo da Academia de Budo, tendo chegado a Lisboa no dia 19 de Abril de 1959.

Entretanto a prática do Ju-Jitsu em Portugal foi-se difundindo sob a prática do Judo, modalidade fundada por Jigoro Kano como uma nova versão desportiva das artes marciais ancestrais do japão, com fortes raízes no Jujutsu, por toda a Europa se deu um movimento relativo à pratica do Judo tendo o seu culminar em 1964 com a sua integração dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

No entanto várias escolas em paralelo ou exclusivamente mantiveram a prática original do Jujutsu.

 

As organizações do Ju-Jitsu moderno

Em 1977 é fundada a União Europeia de Ju-Jitsu, e dez anos mais tarde, em 1987, é criada a Federação Internacional de Ju-Jitsu, dando à modalidade mais visibilidade desportiva mas próximo da amplitude técnica da velha tradição marcial Japonesa.

FJJDAP, todos os direitos reservados

design by: jsdesigner